Conselho para a Avaliação e Qualidade

O conselho para a avaliação e qualidade é o órgão do IPS responsável pelo estabelecimento dos mecanismos de auto -avaliação regular do desempenho do Instituto, das suas unidades, bem como das actividades científicas e pedagógicas sujeitas ao sistema nacional de avaliação e acreditação, nos termos da lei, devendo garantir o cumprimento da lei, o cumprimento das obrigações legais e a colaboração com as instâncias competentes.

O conselho para a avaliação e qualidade é apoiado pelo Gabinete de Avaliação e Qualidade.a que alude a alínea h) do n.º 1 do artigo 94.º dos presentes estatutos. Composição do conselho para a avaliação e qualidade

 

Integram o conselho para a avaliação e qualidade:

a) O presidente do IPS
b) Um vice -presidente do Instituto com competência delegada no âmbito da avaliação e qualidade
c) O administrador do IPS
d) Os directores das Escolas
e) O administrador dos SAS
f) O director da Unidade de Investigação
g) O director da Unidade de Formação Pós -Secundária e Profissional
h) Seis personalidades de reconhecido mérito em áreas de actuação do IPS
i) Um representante do pessoal não docente, a eleger pelo respectivo corpo, de acordo com as regras para a eleição do representante do pessoal não docente no conselho geral, com as devidas adaptações
j) Um representante das associações de estudantes, a designar por estas.
As personalidades referidas na alínea h) do número anterior serão designadas pelo conselho geral sob proposta do presidente do IPS, ouvido o conselho científico -pedagógico, nos termos da alínea p), do n.º 1 do artigo 33.º dos presentes estatutos.

Os mandatos dos membros referidos nas alíneas h) e i) do n.º 1 do presente artigo são de quatro anos e o do referido na alínea j) de dois anos.

 

Competência do conselho para a avaliação e qualidade

Ao conselho para a avaliação e qualidade compete a definição estratégica das políticas institucionais de avaliação e qualidade a prosseguir pelo Instituto, cabendo -lhe, designadamente:

a) Coordenar todos os processos de auto -avaliação e de avaliação externa do desempenho do Instituto, das suas unidades e serviços, bem como das actividades científicas e pedagógicas sujeitas ou não ao sistema nacional de avaliação e acreditação
b) Elaborar um plano plurianual com indicação das áreas funcionais que devem ser avaliadas
c) Propor normas de avaliação a aplicar e definir padrões de qualidade e desempenho, acompanhando a sua implementação e execução
d) Indicar e calendarizar os níveis de proficiência que cada padrão de qualidade deve alcançar
e) Analisar os processos de avaliação efectuados e elaborar os respectivos relatórios de apreciação
f) Propor, ao presidente do IPS, medidas de melhoria da qualidade e do desempenho e sua monitorização.

 

As áreas de avaliação referidas na alínea b) do número anterior podem, designadamente, abranger:

a) Unidades orgânicas e de gestão
b) Cursos
c) Departamentos ou áreas científicas; d) Procedimentos pedagógicos; e) Laboratórios afectos à actividade científica, à actividade pedagógica ou de apoio à comunidade
f) Serviços
g) Impacto do IPS na comunidade, nomeadamente quanto à empregabilidade dos diplomados e à contribuição para processos de inovação tecnológica.

Compete ainda ao conselho a elaboração e aprovação do seu regimento interno bem como o regulamento das Comissões previstas.

 

Funcionamento do conselho para a avaliação e qualidade

O Conselho reúne, ordinariamente, três vezes por ano e extraordinariamente sempre que convocado pelo presidente do IPS, por sua iniciativa ou a requerimento de um terço dos seus membros.
Pode o conselho, para realização de trabalhos específicos, constituir colégios de especialidade, compostos pelo mínimo de três e pelo máximo de cinco dos seus membros.

As funções dos colégios de especialidade e a duração do seu mandato serão definidas pela deliberação que determinar a sua constituição. Comissões para a avaliação e qualidade

Em cada uma das Escolas e demais unidades será constituída uma comissão para a avaliação e qualidade, na dependência do conselho para a avaliação e qualidade, nomeada pelo presidente do IPS sob proposta do respectivo director ou responsável máximo, à qual incumbe desenvolver e coordenar todo o processo de avaliação e que responderá directamente perante o conselho para a avaliação e qualidade.

Nas Escolas e na Unidade de Investigação a comissão será presidida por um professor ou investigador, ambos de carreira, nomeado pelo director da unidade.

 

Membros do CAQ

a)    Presidente do Conselho (Presidente do Instituto): –  Jorge Justino

b)    Vice-Presidente do Conselho (Vice-Presidente do Instituto): – Teresa Serrano

c)    Administrador do Instituto: – Pedro Carvalho

d)    Directores das Escolas:
–    ESAS: António Azevedo
–    ESDRM: Rita Rocha
–    ESES: Jean Campiche
–    ESGTS: Vitor Costa
–    ESSS: Isabel Barroso

e)    Administrador dos Serviços de Acção Social: – António Fonseca

f)    Director da Unidade de Investigação: – Pedro Sequeira

g)    Director da Unidade de Formação Pós-Secundária e Profissional: – Fernanda Pires

h)    Personalidades Cooptadas:
–    Amélia Rauter
–    Eduardo Farinha
–    João Carlos Santos
–    João Pimentel
–    João Ramalho Ribeiro
–    Maria João Botelho

i)    Representante do Pessoal Não-Docente: – Ana Paula Jacob

j)    Estudante, representante das Associações de Estudantes das Escolas: – Jorge Miguel Cunha

Sexo Anal Eu só tinha tido uma única experiência sexual na vida, com o namorado com o qual perdi a virgindade. Mas o namoradinho era tão jovem quanto eu e nunca fizemos Estocador nato penetra o buraco anal da professora tesuda um no outro. Fui sincera e disse ao homem que eu jamais havia feito.